Emílio Trevisan: 105 anos de história com Jundiaí
Connect with us

Jundiaí

Emílio Trevisan: 105 anos de história com Jundiaí

Da Companhia Paulista de Estradas de Ferro ao Paulista de Jundiaí, ele colaborou para o desenvolvimento da cidade de Jundiaí

Published

on

Atualizado há

Emílio Trevisan - 105 anos de história com Jundiaí
Seu Emílio segura sua fotografia de quando era jogador do Paulista de Jundiaí na década de 40 (Foto: Tribuna de Jundiaí)

No dia 19 de julho de 1914 nascia, em Buenos Aires, capital da Argentina, o jundiaiense de coração Emílio Trevisan, que neste ano completou 105 anos de vida, com muitas histórias e lembranças.

Ainda criança ele veio para o Brasil e, já na sua juventude, se mudou para Jundiaí, onde trabalhou na antiga Companhia Paulista de Estradas de Ferro, formou sua família e se consagrou como jogador pelo Paulista de Jundiaí nas décadas de 1940 e 1950. Atualmente ele é o jogador mais antigo do clube ainda vivo.

O Tribuna de Jundiaí foi ao encontro do seu Emílio que, em sua poltrona marrom, tentava se lembrar de algumas histórias, com o auxílio de sua filha, Célia Trevisan. Ainda lúcido para a idade, embora já esquecendo de alguns detalhes, ele falou um pouco sobre suas lembranças.

Pai de três filhas, Emílio tem também sete netos e dois bisnetos. Célia, Diva e Rosângela são frutos do seu casamento com dona Letícia Trevisan, que faleceu em 2013, após 67 anos de casados.

Questionado sobre o que se lembra de sua falecida esposa, seu Emílio respondeu de bate-pronto: “Trabalhadora, ‘braba’, não tinha medo de ninguém”, afirmou ele.

Uma das últimas fotos com filhos, netos e “agregados” quando dona Letícia ainda estava viva (Foto: Arquivo Pessoal)

Dona Letícia era filha do dono da pensão em que seu Emílio se hospedava quando morou em Rio Claro. Os dois se casaram quando ele tinha 33 anos e ela 16, no ano de 1947. Após ter morado na cidade por um tempo, por conta de uma transferência feita pela Companhia Paulista, empresa em que trabalhava desde os 10 anos, decidiu voltar para Jundiaí e daqui nunca mais saiu.

Célia Trevisan, uma das filhas de seu Emílio e dona Letícia, segura foto do casal (Foto: Tribuna de Jundiaí)

Paulista de Jundiaí

Depois de chegar ao Brasil ainda criança, data em que seu Emílio não se recorda, ele passou por Rincão, Jundiaí, Rio Claro e depois novamente Jundiaí. Durante todos esses anos jogou em times de futebol do interior de São Paulo e até mesmo em um da Argentina, na época em que precisou voltar ao seu país para servir o exército aos 18 anos. Por lá, jogou até juntar um dinheiro para poder retornar ao Brasil.

Dentre os times  de São Paulo em que Emílio teve passagem destacam-se o Guarani de Campinas, a Portuguesa de Desportos e o Paulista de Jundiaí, hoje time do seu coração ao lado do Palmeiras.

“O coração ficou para o Paulista. Paulista e Palmeiras”, contou seu Emílio, que ainda acrescentou: “Pintei os alambrados. É um bom time”.

À esquerda, seu Emílio com a camisa do Paulista e, à direita, ele segura uma fotografia sua quando jogador do time na década de 1940 (Fotos: Paulista de Jundiaí e Tribuna de Jundiaí)

Jogador no time jundiaiense entre as décadas de 1940 a 1950, seu Emílio era lateral-direito e, assim como os jogadores que fundaram o Paulista, em 1909, ele também trabalhava na Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Na época, conciliava trabalho, futebol e cuidados com a família.

Como jogador mais antigo ainda vivo do Paulista, até hoje ele tem cadeira cativa no Estádio Doutor Jayme Cintra. Quando o Paulista comemorou 100 anos de história ele estava lá e, até pouco tempo atrás, ainda conseguia frequentar o estádio.

Quando dona Letícia faleceu, o time também prestou homenagens para ela, que, assim como seu Emílio, era torcedora fanática do time e sempre que podia estava no estádio.

“Faz uns dois anos que ele começou a ficar assim, um pouco mais esquecido, ouvindo e enxergando menos. Mas até os 95 anos ele dirigia e com 100 anos ele até foi viajar com os amigos. Até então ele ia ao estádio também”, contou sua filha Célia.

Jundiaí do século XX

Seu Emílio Trevisan acompanhou as principais mudanças do século XX, especialmente em Jundiaí, como a crescente urbanização e industrialização, além do auge da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, onde os principais pontos ficavam em Jundiaí e Rio Claro.

“Ele começou a trabalhar lá com 10 anos, lavando vagões. E, por ter começado a trabalhar cedo, aposentou aos 45 anos”, contou Célia. A aposentadoria ocorreu em 1959 e a tão importante empresa para a cidade ainda funcionava sob o mesmo nome: somente em 1971 a empresa foi estatizada e virou FEPASA.

Seu Emílio sempre morou na região onde ficam os bairros Ponte São João, Vila Arens e Centro, locais em que no século passado estavam as principais empresas de Jundiaí, especialmente na Vila Arens.

Rua Barão de Jundiaí, no Centro de Jundiaí, na década de 1940 (Foto: Acervo/Professor Maurício Ferreira)

Foi na Vila Graff, nessa mesma região, que ele, ao lado de um amigo e posteriormente vizinho, construiu sua casa: todos os dias durante a noite, depois do trabalho, subia pouco a pouco cada um dos tijolos que compõem o local que vive até hoje.

Pai de três filhas, sempre dizia para elas que deveriam estudar, para poderem trabalhar no escritório da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, e não na fábrica. “E assim foi para nós três, trabalhamos no escritório na época”, relembrou Célia.

Perguntado sobre o que se lembra daquela época, seu Emílio se recordou de como era que se vestia: com um terno de linho branco e sapato preto e branco. “Bonito, né? Eu era vaidoso. Gostava de usar terno”, relembrou.

E, além da mudança de vestimentas, muitas outras coisas mudaram: a Companhia Paulista de Estradas de Ferro já não mais existe, assim como muitas das fábricas que existiam na Vila Arens.

Muito mais industrializada do que naquela época, hoje as fábricas que existem em Jundiaí estão mais afastadas.

A população também cresceu exponencialmente: em 1940 eram cerca de 58 mil. Hoje, já são mais de 418 mil. Seu Emílio, que acompanhou o crescimento do primeiro edifício da cidade, nem imaginava que hoje existiriam tantos, em todos os cantos possíveis.

E ele, assim como muitos dos moradores tradicionais da região em que mora, acompanharam o crescimento e a urbanização de Jundiaí.

“Tudo passa, né?”, afirmou seu Emílio que, com 105 anos, carrega uma história de vida que se relaciona com a história do seu século e também com a história de Jundiaí.

Jundiaí

Jundiaí concede selo ‘Empresa Amiga dos Direitos Humanos’ para 40 empresas

As empresas passaram por trilhas de conhecimento com temas como governança corporativa, direitos humanos, sustentabilidade e mais.

Published

on

Ana Oliva ao lado de Dr. Gustavo Maryssael e Antônio Carlos Albino, na entrega do Selo Empresa Amiga dos Direitos Humanos de Jundiaí
Foto: Prefeitura de Jundiaí

Em uma cerimônia realizada no auditório do Ciesp nesta sexta-feira (14), a Prefeitura de Jundiaí concedeu o Selo Empresa Amiga dos Direitos Humanos para 40 empresas participantes do processo. A iniciativa, idealizada pelas Unidades de Gestão da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, visa integrar a iniciativa privada com práticas sustentáveis e um olhar voltado aos direitos humanos…

Continue Reading

Jundiaí

Jundiaí: Jardim Fepasa ganhará biblioteca comunitária ainda em junho

O acervo da biblioteca chega a quase 500 obras, incluindo gibis, histórias em quadrinhos, livros de literatura infantojuvenil e brasileira.

Published

on

Grupo de pessoas, homens e mulheres, posando em uma sala, uma nova biblioteca comunitária
A biblioteca estará no Centro Comunitário Casa Verde (Foto: Prefeitura de Jundiaí)

A biblioteca comunitária do Jardim Fepasa, em Jundiaí, está a poucos passos de se tornar realidade. O espaço de leitura, que está na reta final para sua inauguração, conta com o trabalho em equipe da comunidade local, Prefeitura de Jundiaí, Sesc Jundiaí e a iniciativa privada. Um dos pontos que faltavam para a concretização do sonho era a ampliação do…

Continue Reading

Jundiaí

Viagem musical leva crianças do ensino municipal de Jundiaí a diferentes culturas

Através do projeto MusicAR-TE, os alunos do Ensino Infantil embarcaram em uma aventura imaginária pelas Américas e África

Published

on

Crianças do Ensino Infantil de Jundiaí participando de atividades na quadra da escola

Na última terça-feira (11), a Emeb Vereador Pedro Raymundo, na Vila Rio Branco, se transformou em um portal para um mundo de música e brincadeiras. Através do projeto MusicAR-TE, os alunos do Ensino Infantil embarcaram em uma viagem imaginária pelas Américas e África, conhecendo as tradições musicais e brincadeiras de diversos povos. Uma aventura musical pelos continentes O pequeno Lorenzo,…

Continue Reading

Jundiaí

Castrações gratuitas em Jundiaí: emenda parlamentar beneficiará 1 mil animais

A iniciativa do deputado federal Bruno Ganem, com o apoio do Projeto Dando Voz aos Animais, trará para a cidade um castra-móvel. Saiba mais.

Published

on

Cachorro
As castrações acontecerão em quatro finais de semana em escolas da cidade (Foto: Prefeitura de Jundiaí)

Através de uma emenda parlamentar do deputado federal Bruno Ganem, Jundiaí receberá um castra-móvel para realizar 1 mil castrações gratuitas em animais. A iniciativa, que conta com o apoio do Projeto Dando Voz aos Animais, visa controlar a população animal, prevenir doenças e promover o bem-estar dos bichinhos. O Projeto Dando Voz aos Animais, idealizado por Dani Fogaça em 2019,…

Continue Reading

Jundiaí

População pode monitorar obras de Jundiaí em tempo real

Em parceria com a CIJUN, Prefeitura instalou novas câmeras nas obras de prolongamento da avenida Ozanan e no novo viaduto do Corrupira

Published

on

Munícipe pode acompanhar o andamento do viaduto do Corrupira. Foto: Prefeitura de Jundiaí

A Prefeitura de Jundiaí, em parceria com a Companhia de Informática de Jundiaí (CIJUN), está ampliando o monitoramento das obras públicas da cidade com a instalação de novas câmeras de videomonitoramento em tempo real. As primeiras câmeras já foram instaladas no prolongamento da avenida Antonio Frederico Ozanan e no novo viaduto do Corrupira, e podem ser acessadas pela população através…

Continue Reading
Advertisement