Ciesp sugere aliança estratégica regional na agenda de segurança energética e alimentar
Conecte-se conosco

Economia

Ciesp sugere aliança estratégica regional na agenda de segurança energética e alimentar

Tema foi proposto em seminário que discutiu oportunidades de investimentos Chile-Brasil​

Publicado

em

Atualizado há

Foto: Divulgação

A descarbonização, o futuro do combustível, incluindo o setor de aviação, a produção e o consumo de drones e baterias, os modais de transporte para cargas e pessoas e as regras para e-commerce são alguns assuntos propostos para discussão, na pauta de comércio entre o Brasil e o Chile, sugeridos pelo presidente do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), Rafael Cervone.

Cervone foi o anfitrião de uma comitiva do Governo do Chile durante a abertura do “Seminário Atração de Investimentos Chile-Brasil”, que aconteceu nesta segunda (27), em São Paulo. Participaram do evento o embaixador do Chile no Brasil, Sebastián Depolo, e subsecretárias de Agricultura e Turismo e Diretor Geral da InvestChile.

Rafael Cervone também defendeu a ampliação da aliança estratégica, não só entre Brasil e Chile, como também de toda a América Latina e sugeriu à comitiva chilena uma aproximação comercial com a África. O continente deve alcançar até 2100 o mesmo nível populacional da Ásia, que hoje reúne mais da metade da população mundial.

Para Cervone, a pandemia evidenciou a necessidade de cadeias industriais fortalecidas, visto que países mais industrializados se mostraram mais bem preparados para o enfrentamento da desestruturação do comércio durante a crise sanitária.

Ele também destacou a importância de um alinhamento estratégico para a agenda de segurança energética e alimentar, além de inovação e tecnologia. “Estamos vivendo anos difíceis. Primeiro com a recessão, depois com a pandemia de covid-19, seguida pela Guerra Rússia x Ucránia e agora com a Guerra Hamas x Israel, que tem potencial de se expandir. Temos que repensar nosso futuro e recompor nossas cadeias de fornecimento”, disse.

Cervone destacou ainda que não há inovação, novas tecnologias aplicadas às cadeias produtivas e desenvolvimento econômico sem um investimento significativo no pilar de educação; base de uma sociedade dinâmica, o desempenho educacional do Chile é exemplo e pode motivar parcerias e o desenho de políticas no ambiente educacional brasileiro.

Foto: Divulgação

Ele alertou também a comitiva chilena de que as novas guerras comerciais no mundo se darão não mais por meio de política econômicas, mas, sim, pelas industriais.

O presidente do Ciesp falou ainda sobre o fato do Brasil liderar o ranking de terras raras ou metais raros, embora ainda esteja muito aquém da sua máxima capacidade de produção. Ele avalia que o país precisa saber produzir e descartar adequadamente os metais raros que possui em seu território e que podem se tornar matéria-prima para indústrias do mundo todo.

“O Chile é um país-irmão do Brasil. E agora temos uma oportunidade, com um timing perfeito para estimular o crescimento dessa relação entre os dois países”, afirmou.

A subsecretária de Relações Econômicas Internacionais do Chile, Claudia Sanhueza Riveros, lembrou que o Brasil é o maior país da América Latina e que o mundo todo está “vinculando-se” em alianças comerciais estratégicas.

Riveros argumentou que a agenda de abertura faz parte dos três pilares da política comercial do Chile, bem como o comércio inclusivo e o projeto do corredor bioceânico, projeto de integração considerado o mais avançado em termos de infraestrutura latino-americana e que deve reduzir em 25% custos de importação e exportação.

De acordo com Riveros, o Brasil ocupa o primeiro lugar entre os principais destinos para os investimentos diretos do capital chileno, com US$ 37,9 milhões acumulados entre 1990 e 2020.

A indústria é o terceiro setor que mais atrai investimentos no Brasil com uma fatia de 28,9%, perdendo apenas para o setor de serviços com 41,9% e energia com 28,9%. Além disso, ela ressalta que hoje o Brasil é o terceiro maior parceiro comercial dos chilenos, atrás somente da China e dos EUA.

O Brasil também é o segundo país que mais consome produtos manufaturados do Chile, o terceiro que mais compra do setor de agricultura e pesca e ainda se destaca como o quarto maior mercado consumidor do vinho chileno.

A subscretária lembrou ainda que os dois países têm um Acordo de Livre Comércio assinado em 2018 e que entrou em vigor no ano passado. No ano passado, o Chile exportou US$ 98,5 milhões em mercadorias. A América Latina consumiu 14% do total de exportações. A América do Norte lidera o ranking com 15%, seguida de Europa, 10% e África,1,2%.

O Chile tem cerca de 16 milhões de habitantes e tem uma das economias mais fortes da América Latina devido à sua diversificação. Hoje o país chama a atenção pelo alto nível de integração comercial externa e a ampla rede de acordos de comércio, Mercosul (Mercado Comum do Sul), CAN (Comunidade Andina das Nações), UE (União Europeia) e Apec (Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico) são alguns dos blocos comerciais com os quais o Chile possui preferências comerciais. O país também chama a atenção por ter o maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) da América do Sul.

O Ciesp é uma entidade sem fins lucrativos que possui 8 mil indústrias associadas e 42 regionais espalhadas pelo estado de São Paulo.

Economia

Brasil volta ao grupo das 10 maiores economias do mundo

Desde 2020, esta é a primeira vez que o país retorna ao grupo; entre 2010 e 2014, a economia brasileira chegou a ocupar a 7ª posição no cenário global

Publicado

em

Por

Foto: Canva

O Brasil retornou ao grupo das 10 maiores economias globais, de acordo com a análise da agência de classificação de risco Austin Rating, divulgada após a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) em 2023. A economia brasileira registrou um crescimento de 2,9% no ano passado, impulsionada principalmente pelo desempenho recorde do setor agropecuário, conforme divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de…

Continuar lendo

Economia

Alckmin defende redução de impostos para estimular indústria

As reduções incidirão sobre o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL)

Publicado

em

Por

Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

O vice-presidente Geraldo Alckmin expressou nesta quarta-feira (28) seu apoio ao programa governamental que propõe a redução de impostos com o intuito de incentivar a aquisição de máquinas pela indústria nacional. Segundo Alckmin, essa iniciativa pode "aperfeiçoar a produtividade" e impulsionar o crescimento econômico do país. Alckmin, que também atua como ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, fez essas…

Continuar lendo

Empregos

Jumpark Jundiaí tem vagas de emprego em diversas áreas

Confira as oportunidades e veja como se candidatar

Publicado

em

Por

Pessoas pulando em tatame de borracha
Foto: Divulgação

Jumpark, famoso parque de trampolins de Jundiaí, está com vagas de emprego abertas para diferentes posições. Se você está em busca de uma oportunidade empolgante e dinâmica, confira as vagas disponíveis: Monitor Caixa Manutenção Garçom Limpeza Envie seu currículo para o e-mail [email protected] com o título da vaga desejada no assunto.

Continuar lendo

Concursos

Jundiaí prorroga inscrição para concurso público para área de saúde

O concurso visa contratação de Agente Comunitário de Saúde, Auxiliar de Saúde Bucal e Médico Psiquiatra Adulto.

Publicado

em

Por

Saiba mais sobre o concurso público (Foto: Prefeitura de Jundiaí)

A Prefeitura de Jundiaí prorrogou a data de inscrição do concurso público para a contratação de Agente Comunitário de Saúde, Auxiliar de Saúde Bucal e Médico Psiquiatra Adulto. Além disso, a gestão retificou a área geográfica da Ponte São João, com a inclusão de mais bairros/ruas. As inscrições vão até o dia 7 de março de 2024 e realizadas exclusivamente…

Continuar lendo

Empregos

Fundo Social de Jundiaí abre vagas de estágio para estudantes de Administração

As vagas de estágio são destinadas para estudantes de nível superior e têm carga horária semanal de 30 horas, bolsa-auxílio e auxílio transporte. Confira.

Publicado

em

Por

Veja como participar do processo seletivo (Foto: Prefeitura de Jundiaí)

O Fundo Social de Solidariedade de Jundiaí abriu vagas de estágio para nível superior na área de Administração em aberto. O processo seletivo prioriza alunos cursando a partir do 3° semestre e, no máximo, penúltimo semestre do ensino superior. O estágio conta com carga horária semanal de 30 horas, bolsa-auxílio e auxílio transporte. O estagiário será responsável pelo atendimento ao…

Continuar lendo
Publicidade