A confiança entre os agentes da sociedade é fundamental na construção de uma economia competitiva
Conecte-se conosco

Opinião

A confiança entre os agentes da sociedade é fundamental na construção de uma economia competitiva

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor.

Publicado

em

Atualizado há

Economia competitiva
(Foto: kentoh/Canva)

O arcabouço literário da ciência econômica vem evoluindo na mesma proporção das mudanças nas relações entre os agentes econômicos. Recorrendo aos manuais atualizados encontrei na obra do economista Francis Fukuyama, uma variável importante para contextualizar a economia atual. No livro “Confiança”, o autor deixa claro como as relações sociais podem influenciar no desenvolvimento de uma economia.

Essa variável ainda não é debatida pelos formuladores de programas econômicos em sociedades atrasadas; Já nas Nações desenvolvidas até examina o seu desempenho econômico mensurando o bem-estar e a capacidade de competir, observando que o avanço está condicionado por uma única abrangente cultural: O nível de confiança entre os agentes da sociedade civil – empresas, sindicatos, igrejas, clubes, associações comunitárias, Organizações sem fins Lucrativos, mídia e outros.

Recorrendo a historia encontramos inúmeros exemplos de sociedades que juntaram forças para superar situações caóticas e outras que foram destruídas devido à ausência de crenças entre os agentes da sociedade. A queda do Império Romano, da Dinastia Romanov na Rússia e o fim do Reinado de Luiz XVI na França são exemplos de derrocadas, nas quais os interesses individuais corromperam as instituições de caráter coletivo.

Na era moderna o Japão destruído e derrotado pela violência da Segunda Guerra Mundial, demonstrou como uma sociedade unida pela confiança pode avançar rumo ao progresso, os nativos aderiram a uma campanha do Imperador e doou ouro para ajudar na reconstrução do país, isso só foi possível porque o “homem público” passava confiabilidade. Roma nunca mais voltou a ser Império, o povo russo matou a pauladas o ultimo Czar e Luiz XVI foi degolado em praça pública e a boa reputação foi incorporada nos princípios dessas sociedades.

O povo japonês construiu uma das mais competitivas economias do planeta, desenvolvendo competências em diversas áreas. Basta observar que em seu pequeno território estão sediados grandes conglomerados industriais que ofertam bens e serviços para o bem estar da humanidade.

O professor Fukuyama afirma que nos casos em que existe um déficit em capital social, essa carência pode ser suprida através da intervenção estatal, tal como o Estado pode retificar uma deficiência em capital humano através da construção de mais escolas e universidades. Obviamente a observação do economista norte americano não leva em consideração sociedades as quais a corrupção está incorporada em toda a sociedade civil.

Empresários que adotam a informalidade como estratégia competitiva, querem mão de obra qualificada sem ao menos investir um centavo na formação e não gostam de regras, bem diferentes do perfil do seu país, onde financiam grandes universidades, contribuem na formação de regramento justo e a inovação é o método para competir. Sindicatos conduzidos por autocratas que não pensam no coletivo, oposto das organizações sindicais americanas que lutam pelo equilíbrio das relações entre capital e trabalho.

Quando aborda outros organismos sociais como fundações e igrejas, está se referindo ao modelo praticado nos Estados Unidos. Pensando no caso brasileiro, a sociedade precisa passar por uma “revolução moral” para avançar rumo ao desenvolvimento social e econômico. E para sustentar esse argumento vou usar a sociologia militar, debatida pelo ex-general e professor Eliot Cohen, da Universidade Johns Hopkins, “de que Exércitos, de modo geral, refletem as qualidades das sociedades das quais emergem”.

Para Cohen, um estado que se assenta sobre corrupção, mentiras, ilegalidade e coerção, esses elementos serão revelados pelo Exército em uma guerra. Portanto se essa máxima atinge as Forças Armadas com códigos de condutas rígidos, qual o perfil das demais instituições desenhadas por esse povo?

“Um povo corrompido não pode tolerar um governo que não seja corrupto.” Marquês de Maricá.

Everton Araújo, é brasileiro, economista e professor. 

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Tribuna de Jundiaí.

Opinião

As classes sociais ricas estão acuadas em suas ilhas de conforto

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Publicado

em

Por

Representação de classes sociais
Foto: macgyverhh/Canva

A segurança, a educação e a saúde integram direitos que a sociedade democrática brasileira elegeu como fundamentais para o seu desenvolvimento. Entretanto o direito à segurança possui tamanho interesse para a nosso corpo social que os constituintes expressamente o elevaram à condição de único direito fundamental a ser garantido em seu viés individual e social, conforme dispõem, respectivamente, os artigos…

Continuar lendo

Opinião

Bolsonaro faz barulho com a gasolina para esconder o preço diesel

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor.

Publicado

em

Por

Bolsonaro e carro abastecendo

A Petrobras divulgou mais um lucro exorbitante e junto à distribuição de dividendos aos nobres acionistas. Nesta noticia a única novidade foi à ausência do espetáculo dantesco do Presidente da República, pois como estratégia para enganar a sociedade criticava os resultados financeiros da empresa, fingindo que estava cuidando dos interesses do povo e contra os poderosos. Atualmente o Presidente está…

Continuar lendo

Opinião

A Era das contradições: o jovem rico no oriente e a pobreza no ocidente

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor.

Publicado

em

Por

Foto: srpphoto/Canva

Um espaço econômico com um protagonismo no que tange ao desenvolvimento de novas tecnologias, principalmente em áreas como inteligência artificial, inovação de hardware e reconhecimento facial, com os startups avançando em enorme velocidade e conquistando milhões de internautas. Inovação e tecnologia moldam a vida nesse território, como por exemplo, fazer compras, quase todos os estabelecimentos não operam mais com cartões…

Continuar lendo

Opinião

Bolsonaro exalta a agricultura exportadora para camuflar a fome do povo

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Publicado

em

Por

Jair Bolsonaro
Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agencia Brasil

Durante a Cúpula das Américas em junho de 2022, o Presidente Bolsonaro, sempre abusando de suas habilidades em camuflar os problemas, disse ao Presidente dos Estados Unidos Joe Biden que o Brasil alimenta um bilhão de pessoas no mundo, exaltando o agronegócio brasileiro. Seria algo muito positivo se realmente esse setor fosse autossuficiente na sua cadeia produtiva e contribuísse para…

Continuar lendo

Opinião

Carbono: o novo papel das cidades inteligentes

Artigo por Miguel Haddad.

Publicado

em

Por

Miguel Haddad
(Foto: Arquivo Pessoal/Miguel Haddad)

No futebol, quem chega atrasado na bola perde a chance de marcar o gol. E o carbono – a diminuição da emissão desse gás, conhecido como dióxido de carbono – hoje, no mundo, é a bola da vez, até porque trata-se de uma providência, de todas, a mais urgente: segundo o IPCC – o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da…

Continuar lendo
Publicidade