O subdesenvolvimento brasileiro é um projeto de Nação
Connect with us

Opinião

O subdesenvolvimento brasileiro é um projeto de Nação

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Published

on

Atualizado há

Favela da Rocinha, no Rio de Janeiro
Favela da Rocinha, no Rio de Janeiro (Foto: w3design/Canva)

As flutuações econômicas são determinantes para o desequilíbrio nas curvas de oferta e demanda, naturalmente afetam com mais rigor as economias periféricas devido ao nível de dependência tecnológica, financeira e a baixa produtividade dos fatores de produção, características que dificultam uma reação breve.

A variável técnica é um gargalo muito complicado para solucionar, pois as nações que desenvolvem bens de capital utilizam também dessa vantagem para suprir suas carências de insumos vitais para seus parques industriais e assim manter a servidão. Porém quem ocupa o topo da pirâmide social nas nações subdesenvolvidas, não demonstram interesses em sair da submissão, pois esse estado é elementar para, continuar controlando o destino da maioria da população e a ostentação das suas conquistas materiais oriundas da exploração de recursos naturais fartos, do controle do orçamento público, da criação de regras alinhadas aos interesses das elites e da exploração de mão de obra barata e obediente.  

A falta de propósito da nobreza atrasada em investir na formação de capital humano capaz de desenvolver ciência e tecnologia e revolucionar os meios de produção, permitindo que a sociedade tenha mais capacidade de enfrentar as oscilações nos mercados globalizados é uma espiral para o aumento do exercito de miseráveis.

Essa sonhada revolução seria também uma prevenção para as crises domésticas, as quais são comuns em economias atrasadas como nos países da América pobre, pois são induzidas muitas vezes por vaidades das classes dominantes, convictas de que não haverá reação das massas, as quais acreditam que o voto vos libertará da opressão e da pobreza.

As oscilações na economia é um problema do sistema capitalista, ocasionado na maioria das vezes por falta de motivação dos empresários em investir e da sociedade em consumir e sem o estimulo do gasto público os efeitos na microeconomia serão nocivos, como desemprego, baixa produtividade, ajustes nos custos produtivos para garantir margens desencadeando o processo inflacionário. E por aqui sempre aplicam politicas monetárias tronchas, as quais estimulam a especulação elevando a dívida pública e sugando o sangue da massa assalariada e transformando lobos em corvos com estomago capaz de se adaptar a qualquer ecossistema.

Há uma grande oportunidade dos empresários para ocupar um espaço na reorganização mundial das cadeias de produção. Mas a maior parte da nossa indústria é desatualizada e as razões já foram citadas em parágrafos anteriores. O Brasil se fechou já no início da industrialização, para garantir mercado local aos seus protegidos, os quais na zona de conforto não se preocuparam em inovar para competir em igualdade de condições e ampliar a exposição de seus produtos e serviços.

As empresas têm que lidar com um manicômio tributário, regras instáveis, infraestrutura deficiente e mão de obra incapaz de absorver novas técnicas de produção. Mas, esse atraso é filho legitimo da burguesia nacional que diante de uma imensidão de recursos para explorar, pouco se interessaram em criar condições para se integrar ao mundo.

Esse processo de desintegração ocorre também internamente, e é um “salve-se quem puder”. Uma revisão na historia econômica do Brasil, nos leva ao entendimento de que o atraso é um projeto de Estado manobrado por quem sempre ocupou o topo da pirâmide social. 
A crise da educação no Brasil não é uma crise; é um projeto. Darcy Ribeiro, educador brasileiro e fundador da Universidade de Brasília. 

Everton Araújo, brasileiro, economista e professor.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam necessariamente as ideias ou opiniões do Tribuna de Jundiaí.

Opinião

O futuro dos idosos: desafios e soluções

Artigo escrito por Miguel Haddad

Published

on

Idosos dançando em par
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O envelhecimento populacional é uma realidade inegável, e suas repercussões já são percebidas de maneira contundente. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), até 2050, cerca de 2 bilhões de pessoas terão mais de 60 anos, representando um quinto da população global. No contexto brasileiro, dados do Ministério da Saúde alertam para a crescente proporção de idosos, prevendo…

Continue Reading

Opinião

A direita antipatriota continua vendendo o Brasil para a China comunista

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário

Published

on

Dois homens iniciando um aperto de mãos com uma bandeira da China e uma bandeira do Brasil em cima de uma mesa
Foto: Canva Pro

Uma suposta ameaça comunista no Brasil é frequentemente levantada pela direita para, com frequência, justificar ações autoritárias e ameaças à democracia. Essas ideias vagas ainda têm força, mesmo sem histórico de um “projeto comunista” que tenha chegado a ameaçar o Estado brasileiro. Diante da dificuldade de construir planos consistentes para avançar o Brasil, usam a pecha do anticomunismo como um ponto de unificação das direitas na sua diversidade.  O discurso…

Continue Reading

Opinião

Privatização de setores estratégicos, ameaça à democracia, o desenvolvimento e a liberdade

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor.

Published

on

Foto: Canva Pro

O professor e historiador Donald Cohen, lançou a obra "Privatization of Everything" com uma forte reflexão sobre o papel do setor privado na sociedade global.  Para ele a privatização de empresas estratégicas nada mais é que entregar à iniciativa privada a autoridade, o controle e o acesso a bens públicos, muitas vezes extremamente necessários à população. O especialista também mostrou…

Continue Reading

Opinião

Dia da Indústria: CIESP Jundiaí alerta para desafios e destaca importância da educação

O Dia da Indústria reflete a importância do setor industrial para o desenvolvimento econômico e social do Brasil.

Published

on

Marcelo Cereser, diretor do CIESP Jundiaí, durante evento oficial, vestindo um terno escuro e camisa clara, expressando seriedade.
Foto: Divulgação/CIESP Jundiaí

No próximo sábado, 25 de maio, o CIESP Jundiaí comemora o Dia da Indústria, uma data que convida todos os empresários a refletir sobre a importância do setor industrial para o desenvolvimento econômico e social do Brasil. “A indústria é um dos pilares fundamentais da economia nacional, gerando empregos, inovação e crescimento. No entanto, enfrentamos, diariamente, desafios significativos que precisam…

Continue Reading

Opinião

O petróleo não é o excremento do diabo e sim uma Dádiva de Deus

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor.

Published

on

Foto: Canva

Países do Oriente Médio, Nigéria, Venezuela, Irã, Angola, Congo, Argélia e Rússia são grandes produtores e exportadores de petróleo. Pertencem ou apoiam a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), um organismo com viés monopolista e autoritário. Mas além da terra rica, essas nações têm outras características similares como pobreza, concentração de rendas, aversão a institucionalidade democrática e são dominados…

Continue Reading