Conheça a história do médico que virou prefeito: Antenor Soares Gandra
Conecte-se conosco

Sextou com S de Saudade

Conheça a história do médico que virou prefeito: Antenor Soares Gandra

Era tido como um profissional e cidadão muito consciente. Muitas vezes, clinicava apenas por amor à profissão e ao ser humano

Publicado

em

Atualizado há

Antenor Soares Gandra
Médico formado no Rio de Janeiro e prefeito até 1936, Gandra morreu aos 55 anos (Foto: Arquivo/PMJ)

Muita gente que passa diariamente pela rua Dr. Antenor Soares Gandra, entre as regiões da Ponte São João e Colônia, nem imagina quem foi este cidadão. É por isso, também, que aproveitamos este espaço no Tribuna de Jundiaí para contar a história da nossa cidade. Vamos falar deste cidadão, que fez muito pelo município: não só como profissional da Medicina, mas também como chefe do poder Executivo.

Gandra nasceu dia 10 de fevereiro de 1891. Os pais, o tenente-coronel Júlio Cezar Ferreira Gandra e Maria Soares Gandra, eram agricultores e donos da Fazenda Santa Fé, no Distrito de Paz da Rocinha. Este local fez parte de Jundiaí até 1948, quando tornou-se a cidade de Vinhedo.

Ele estudou no Rio de Janeiro, onde se formou médico aos 23 anos, mas fez questão de trabalhar em Jundiaí. Em 1916, já tinha um consultório na cidade, mas voltou ao território carioca para casar-se com Maria Celeste Ribeiro Gandra – companheira e apoiadora de todas as empreitadas ao longo da vida. Tiveram quatro filhos, todos jundiaienses.

Amor ao próximo

Era tido como um profissional e cidadão muito consciente. Por esse motivo, muitas vezes, clinicava apenas por amor à profissão e ao ser humano. Trabalhou no Hospital de Caridade São Vicente de Paulo, foi chefe do Serviço Sanitário Municipal e enfrentou bravamente a epidemia de gripe espanhola na cidade, em 1919 – doença que matou mais de 35 mil pessoas no Brasil (inclusive o recém-eleito presidente da República, Rodrigues Alves).

Antes de ser prefeito, Antenor Soares Gandra foi líder do Movimento Constitucionalista de 1932, quando participou de muitos combates ao lado de bravos jundiaienses para proteger a Constituição e nosso Estado.

Dr. Gandra era, também, médico-auxiliar do Departamento de Profilaxia da Lepra, na Secretaria da Educação e Saúde Pública do Estado de São Paulo. Como prefeito de Jundiaí, de 1933 a 1936, teve as mesmas atitudes que desempenhava na medicina: se aproximou do povo e, mesmo com poucos recursos à época, realizou várias obras.

Antigo prédio da Prefeitura de Jundiaí, na rua Barão de Jundiaí

Infraestrutura e saneamento

Foi responsável pela construção do Paço Municipal, demolido infelizmente há 30 anos. No local, na rua Barão de Jundiaí, funciona agora uma agência do banco Santander. Outras obras da administração Gandra foram a ponte de concreto que liga a Ponte São João ao Centro – inaugurada em 1937, por Thomaz Pivetta – e nada menos do que 312 quilômetros de estradas.

Ele dedicou-se ativamente para estudar o abastecimento de água e afastamento de esgoto, no sentido de combater as moléstias mortais e mais comuns na época, causadas pela falta de saneamento.

Organizou a primeira exposição vitivinícola do Estado de São Paulo, realizada em 20 de janeiro de 1934. Seria o embrião da Festa da Uva que conhecemos hoje.

Criou a Escola Profissional Mista e Núcleo de Ensino Profissional que, na concepção dele, deveria formar técnicos no cultivo de uva e produção de vinho. Criou o Grupo Escolar de Vila Arens, inaugurado dia 28 de setembro de 1934, cujo terreno fez doação ao Governo de Estado. Criou, também, a Cooperativa dos Vitivinicultores do Bairro de Caxambu, inaugurada em 1935.

Aumentou de 12 para 20 o número das escolas municipais, que se juntaram às 14 escolas do Governo Estadual e quatro particulares. Destas, apenas o Colégio Professor Luiz Rosa continua funcionando.

Criou a Repartição de Estatística anexa à Prefeitura, a primeira a ser instalada no interior do Estado, assim como a Estação Experimental Viticultura de Currupira, cujo terreno, com área de 95 alqueires, doou ao Governo do Estado. Foi também Gandra quem conseguiu que o Congresso votasse a lei de criação do Ginásio de Esportes em Jundiaí.

Depois que deixou a Prefeitura, em 1937, mudou-se para a Capital sem deixar de voltar a Jundiaí sempre que podia. Em São Paulo, Gandra exerceu o cargo de assistente médico superintendente do Hospital de Clínicas da Faculdade de Medicina, do qual foi um dos organizadores até 1946.

Bom prefeito

A atuação como prefeito sempre rendeu elogios da população. Prova disso é o jornal “O Popular”, que em 1935 estampou na capa uma página toda dedicada ao mandato de Gandra: “Quem conhece nossa gente, nossas coisas, nossos recursos e nossos problemas , não pode deixar de acreditar e confiar num futuro promissor para Jundiaí”.

Com inteligência e visão de um cidadão (e não de um político), ele afirmou: “Tenho fé em nossa gente, creio na minha, na nossa Jundiahy! Para que se engrandeça e brilhe, bastará que os governos sejam honestos e não a estorvem quando não puderem ajudar e guiar a nossa cidade”.

Gandra morreu dia 18 de maio de 1946, com apenas 55 anos, em São Paulo. Além da rua, dá nome a uma escola estadual, o antigo Industrial, no início da rua Barão de Jundiaí.

E você? Tem alguma história interessante da cidade, um fato inusitado ou quer que falemos sobre algum assunto? Peço que ajude a preservar nossa história: envie fotos antigas e participe do grupo no Facebook.

Até semana que vem!

Sextou com S de Saudade

Clube 28 de Setembro carrega histórias de resistência e luta contra a discriminação racial em Jundiaí

Até hoje, o Clube 28 é referência de entretenimento, recreação e um marco na história negra de Jundiaí e do Brasil.

Publicado

em

Foto de antiga entrada do Clube 28 de Setembro, em Jundiaí
O nome do clube foi dado em homenagem à Lei do Ventre Livre, instituída em 28 de setembro de 1871 (Fotos: Acervo Maurício Ferreira)

Quem passa pela área central de Jundiaí já deve ter reparado naquele toldo preto, com o número 28 em vermelho e a sigla CBCRJ: Esse é o Clube 28 de Setembro. O centro cultural foi inaugurado no dia 1º de janeiro de 1895, a partir da iniciativa de um grupo de ferroviários negros, que se uniram para fundar uma agremiação…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Mário Milani, o craque jundiaiense que ia aos treinos pilotando um avião

Apesar do destaque em grandes clubes brasileiros, a carreira dele não é muito conhecida. Por isso, prestamos essa homenagem

Publicado

em

Mário Milani
Jundiaiense era considerado um grande profissional do futebol, além de contabilista e também aviador (Fotos: Acervo Maurício Ferreira)

O termo "voar em campo", muito usado nas resenhas do futebol, nunca serviu tão bem para contar a história desse jundiaiense que brilhou em muitos gramados com a camisa de alguns dos principais clubes brasileiros. Estamos falando de Mário Milani, jogador de futebol e contabilista que aprendeu a pilotar avião para não perder tempo nas viagens de trem entre Jundiaí…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Pipoqueiros marcaram época em Jundiaí: você conhece algum deles?

Publicado

em

Pipoqueiro Caxambu
Pipoqueiro na estrada de terra, no bairro Caxambu, na década de 1960: parte da história de Jundiaí (Foto: Acervo Maurício Ferreira)

Algumas profissões ou determinados tipos de trabalho estão cada vez mais difíceis de serem vistos por aí, não é? Nos anos 1980, quem nunca aproveitou para amolar a faca ou afiar a tesoura quando ouvia aquele tilintar da bicicleta passando pela rua? Com a chegada da tecnologia, muitas dessas funções passaram a ser feitas pelas pessoas em casa, mesmo, graças…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Na Jundiaí de 1930, bombas de gasolina ficavam nas esquinas

Geralmente as bombas pertenciam a algum comércio próximo: você pagava e abastecia ali mesmo, na rua

Publicado

em

Posto
Tempo em que se podia abastecer os carros e caminhões sem a necessidade de um posto de combustíveis (Foto: Acervo Maurício Ferreira)

Você imagina o mundo, hoje, sem postos de combustíveis? A gente teve um exemplo claro disso quando houve a greve dos caminhoneiros, em 2018: ninguém conseguia abastecer e o país virou um caos, não é? Mas já houve uma época em que nem se pensava em ter estabelecimentos assim e a gasolina era vendida nas esquinas. Nessas duas imagens que…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Meu amado avô Zeca: exemplo de cidadão a serviço da população

Era um homem com pouco estudo, muito trabalhador, detentor de espírito público e respeito pelo que pertencia ao povo

Publicado

em

zeca
Com meu avô e o primo Eduardo Massagardi (à direita) numa foto dos vários momentos juntos que passamos (Foto: Acervo Maurício Ferreira)

Nasci literalmente no interior da Prefeitura de Jundiaí, mais precisamente no Depósito Municipal que funcionou durante décadas na avenida Dr. Amadeu Ribeiro, no Anhangabaú, entre o Bolão e o Parque da Uva. Meu avô Zeca Ferreira e meu pai Ferreirinha (José Antônio) eram funcionários públicos e moravam nas casas da Prefeitura. Vim ao mundo, numa dessas moradias, pelas mãos de…

Continuar lendo