Mário Milani, o craque jundiaiense que ia aos treinos pilotando um avião
Conecte-se conosco

Sextou com S de Saudade

Mário Milani, o craque jundiaiense que ia aos treinos pilotando um avião

Apesar do destaque em grandes clubes brasileiros, a carreira dele não é muito conhecida. Por isso, prestamos essa homenagem

Publicado

em

Atualizado há

Mário Milani
Jundiaiense era considerado um grande profissional do futebol, além de contabilista e também aviador (Fotos: Acervo Maurício Ferreira)

O termo “voar em campo”, muito usado nas resenhas do futebol, nunca serviu tão bem para contar a história desse jundiaiense que brilhou em muitos gramados com a camisa de alguns dos principais clubes brasileiros. Estamos falando de Mário Milani, jogador de futebol e contabilista que aprendeu a pilotar avião para não perder tempo nas viagens de trem entre Jundiaí e São Paulo.

Milani foi campeão paulista pelo Corinthians, carioca pelo Fluminense, bicampeão brasileiro pela Seleção Paulista, artilheiro do Campeonato Brasileiro de Seleções por duas vezes e do Campeonato Paulista, além de ter passado também pelo São Paulo, pouco depois do clube ser fundado, Juventus e Paulista de Jundiaí.

Apesar de ter sido um jogador de futebol de grande destaque na década de 1940 e feito história com a camisa de grandes clubes brasileiros, a carreira de Mario Milani não foi muito difundida. Atacante nato, gostava mesmo de fazer gols. Só pelo Corinthians, foram mais de 100! Teve média de gols maior, por partida, do que Baltazar, Marcelinho Carioca, Sócrates, Rivelino, Viola e Casagrande – grandes ídolos do alvinegro de Parque São Jorge.

Agachado na foto, Milani com a faixa de campeão pelo Corinthians

História

Mário Milani nasceu em 1918. Os pais eram Olinda e Fortunato Milani, de uma família empreendedora e com posses. Fortunato foi fundador e presidente da Indústria Alimentícia Milani, que fabricava conservas, além de ter ajudado a fundar a Gessy Lever.

A carreira no futebol teve início aos 14 anos, quando passou a disputar jogos com a camisa do Estrela de Ouro Futebol Clube, time amador da cidade. Apesar da pouca idade, ele já chamava a atenção nos gramados e não demorou muito para ser descoberto por um olheiro do futebol. Seis anos mais tarde, em 1938, já estava vestindo a camisa do tricolor do Morumbi.

Os pais tiveram de ser convencidos de que ele precisava jogar futebol na cidade grande. A missão, neste caso, coube ao também jundiaiense Romeu Pellicciari – concluída com êxito, para o bem do futebol.

Depois do São Paulo, Milani foi para o Fluminense, no Rio de Janeiro. Ganhou três títulos em 1940, mas a saudade da esposa Maria Ribeiro falou mais alto e ele resolveu voltar à capital paulista. Ingressou no Corinthians, onde viveu a melhor fase da carreira – já no ápice da técnica e da forma física.

Goleador

O craque jundiaiense era aquele “menino de ouro”, como se dizia antigamente: era um grande profissional, jogava muito bem e era um cavalheiro – tanto dentro quanto fora de campo.

Viveu dias de glória nos braços da Fiel Torcida, ao lado de craques consagrados como Baltazar, Rui, Lima e Servílio. Era um atleta completo e foi convocado várias vezes para a Seleção Paulista – onde conquistou dois títulos. Naquela época, os campeonatos entre seleções estaduais ocorriam praticamente todos os anos.

Quando deixou o Corinthians, jogou no Juventus e também atuou como técnico. Milani ainda disputou competições com a camisa do Paulista Futebol Clube, em 1950. Encerrou a carreira um ano depois.

Presença constante na Seleção Paulista

Curiosidades

  • Cansado de viajar de trem todos os dias quando treinava no Parque São Jorge, Milani aprendeu a pilotar aviões no recém-inaugurado Aeroclube de Jundiaí. Com um avião Paulistinha, ele ia até o Campo de Marte, em São Paulo, para encurtar o trajeto.
  • Mário Milani era um esportista versátil. Na adolescência, foi campeão de basquete (chamado, naquela época, de bola ao cesto) pela Escola Professor Luiz Rosa, Esportiva e Associação dos Empregados do Comércio. Também foi professor de Contabilidade nas Escolas Padre Anchieta (hoje Unianchieta) e chegou a atuar como secretário de Finanças nas Prefeituras de Jundiaí e Itupeva.
  • Ele era diferente da maioria dos jogadores de futebol – isso até os dias de hoje. Antes de se profissionalizar nos campos, estudou na Escola Paroquial Francisco Telles e se formou contabilista na Escola Professor Luiz Rosa. Ele chegou a ser o responsável pela contabilidade da empresa da família.
  • Teve a história contada em uma biografia – “Milani – O artilheiro aviador”, do jornalista Gustavo Longhi de Carvalho. Faleceu dia 24 de setembro de 2003, deixando os filhos Olga Maria Milani e José Antônio Milani, netos e bisnetos.
  • Recebeu inúmeras homenagens: um viaduto na rodovia Dom Gabriel Paulino Bueno Couto (a estrada de Itu), o estádio municipal de Itupeva e o centro esportivo do bairro Ivoturucaia, em Jundiaí, levam o nome do craque.

E você, lembra de alguém que também fez história em Jundiaí? Mande fotos e as informações para a gente. Visite o nosso grupo no Facebook. Ajude a preservar a história de Jundiaí.

Até semana que vem!

Sextou com S de Saudade

Clube 28 de Setembro carrega histórias de resistência e luta contra a discriminação racial em Jundiaí

Até hoje, o Clube 28 é referência de entretenimento, recreação e um marco na história negra de Jundiaí e do Brasil.

Publicado

em

Foto de antiga entrada do Clube 28 de Setembro, em Jundiaí
O nome do clube foi dado em homenagem à Lei do Ventre Livre, instituída em 28 de setembro de 1871 (Fotos: Acervo Maurício Ferreira)

Quem passa pela área central de Jundiaí já deve ter reparado naquele toldo preto, com o número 28 em vermelho e a sigla CBCRJ: Esse é o Clube 28 de Setembro. O centro cultural foi inaugurado no dia 1º de janeiro de 1895, a partir da iniciativa de um grupo de ferroviários negros, que se uniram para fundar uma agremiação…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Pipoqueiros marcaram época em Jundiaí: você conhece algum deles?

Publicado

em

Pipoqueiro Caxambu
Pipoqueiro na estrada de terra, no bairro Caxambu, na década de 1960: parte da história de Jundiaí (Foto: Acervo Maurício Ferreira)

Algumas profissões ou determinados tipos de trabalho estão cada vez mais difíceis de serem vistos por aí, não é? Nos anos 1980, quem nunca aproveitou para amolar a faca ou afiar a tesoura quando ouvia aquele tilintar da bicicleta passando pela rua? Com a chegada da tecnologia, muitas dessas funções passaram a ser feitas pelas pessoas em casa, mesmo, graças…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Na Jundiaí de 1930, bombas de gasolina ficavam nas esquinas

Geralmente as bombas pertenciam a algum comércio próximo: você pagava e abastecia ali mesmo, na rua

Publicado

em

Posto
Tempo em que se podia abastecer os carros e caminhões sem a necessidade de um posto de combustíveis (Foto: Acervo Maurício Ferreira)

Você imagina o mundo, hoje, sem postos de combustíveis? A gente teve um exemplo claro disso quando houve a greve dos caminhoneiros, em 2018: ninguém conseguia abastecer e o país virou um caos, não é? Mas já houve uma época em que nem se pensava em ter estabelecimentos assim e a gasolina era vendida nas esquinas. Nessas duas imagens que…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Meu amado avô Zeca: exemplo de cidadão a serviço da população

Era um homem com pouco estudo, muito trabalhador, detentor de espírito público e respeito pelo que pertencia ao povo

Publicado

em

zeca
Com meu avô e o primo Eduardo Massagardi (à direita) numa foto dos vários momentos juntos que passamos (Foto: Acervo Maurício Ferreira)

Nasci literalmente no interior da Prefeitura de Jundiaí, mais precisamente no Depósito Municipal que funcionou durante décadas na avenida Dr. Amadeu Ribeiro, no Anhangabaú, entre o Bolão e o Parque da Uva. Meu avô Zeca Ferreira e meu pai Ferreirinha (José Antônio) eram funcionários públicos e moravam nas casas da Prefeitura. Vim ao mundo, numa dessas moradias, pelas mãos de…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Miro Jarinu foi dono de panificadora e vereador, mas se consagrou como vendedor de carros

Líder comunitário na Vila Hortolândia, comerciante se destacou na política e como vendedor de veículos

Publicado

em

Miro Jarinu
Miro acompanha obra que reivindicou na avenida João Meccatti, no final dos anos 1960 (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Argemiro de Campos, o Miro Jarinu, nasceu em 1939. Filho de João Antônio e Maria do Carmo, ele sempre foi muito querido em toda Jundiaí por ser uma pessoa que exerce a plena cidadania. Em 1963, junto com o pai dele, João Antônio, e o irmão Geraldo, arrendou um bar na Vila Hortolândia e abriu a Panificadora Jarinu - uma…

Continuar lendo