Lula festeja o crescimento da economia e o povo ainda não
Conecte-se conosco

Opinião

Lula festeja o crescimento da economia e o povo ainda não

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário

Publicado

em

Atualizado há

Presidente Lula
Foto: José Cruz/Agência Brasil

As projeções para a economia brasileira são positivas e o governo aproveita para promover as suas conquistas dando publicidade para a posição do Brasil no ranking das maiores economias global, e com isso vai camuflando o problema endêmico da distribuição de rendas. O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2024 e apontou que pode atingir US$ 2,331 trilhões de dólares no próximo ano, ultrapassando o PIB da Itália, que está projetado para alcançar US$ 2,328 trilhões nesse ano.

O relatório do FMI destaca que essa projeção se baseia nos fundamentos das políticas econômicas adotadas atualmente no país. Observam que os pressupostos da política monetária estão alinhados com a meta de convergência da inflação dentro da faixa de tolerância até o final de 2024. O relatório também evidencia a consolidação fiscal como uma âncora para a sustentação do crescimento e o aumento da confiança dos agentes econômicos. O avanço da economia vai diluir o déficit público, pois o aumento da produtividade dos meios de produção tem impacto positivo nas pressões da oferta, o que facilita a aplicação de uma politica de créditos e consequente aumento da arrecadação sem a punição dos impostos.

O presidente Lula da Silva (PT) comemorou a previsão e sem perder a oportunidade relembrou que o Brasil estava na 11ª posição do ranking quando assumiu o cargo em 2023, logo após a saída do ex-presidente Jair Bolsonaro. No entanto o mandatário não pode esquecer-se de analisar as bases desse crescimento, pois está sustentado no gasto do governo e no comércio exterior, o que não tem força para sustentar o gigante no ar por muito tempo. O grande desafio do Brasil é aumentar a participação dos trabalhadores na riqueza produzida e assim construir o pilar central de uma economia de mercado desenvolvida como a Itália e o Canadá, as quais o Brasil já superou na corrida do top 10 do PIB, no entanto está bem distante na paridade do poder de compra da sociedade e também nos indicadores como IDH e índice de Gini.

Os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) vieram positivos, entretanto se faz necessário avançar muito para incluir a grande massa de trabalhadores no mercado de bens e serviços que atendem as necessidades do ego e é a propulsão da economia e da inovação. Em 2023, a massa de rendimento mensal domiciliar per capita atingiu o maior valor da série histórica do módulo de rendimento de todas as fontes, da PNAD Contínua, iniciada em 2012, portanto não tem grandes reflexos no mercado consumidor, pois a renda atende apenas as necessidades fisiológicas.

A referência é um rendimento médio mensal real domiciliar per capita de R$ 1848,00, alardeado pelo ministério da propaganda do governo, como o maior valor da série histórica da pesquisa. É complicado, pois essa renda não permite, por exemplo, o financiamento de bens para atender as demandas para a segurança do cidadão, como moradia e mobilidade.

A China comunista em três décadas se tornou a segunda economia do planeta, e o aumento da renda da população está garantindo os avanços da sociedade chinesa, basta observar que a potência asiática já é o maior consumidor de bens de luxo da terra, chegando à exuberância de consumir 35% dos bens supérfluos produzidos na terra. Enquanto a Índia que ocupa a quinta posição nesse ranking não consegue diminuir a miséria na sua imensa população e consumo menos bens de luxo que o Canadá.

Então, espero que o governo brasileiro consiga estabelecer um pacto social capaz de garantir estabilidade para sociedade brasileira e nos permita romper o subdesenvolvimento. No entanto diante dos diversos sinais negativos, vejo a esperança padecer.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam necessariamente as ideias ou opiniões do Tribuna de Jundiaí.

Everton Araújo é brasileiro, economista e professor.

Opinião

O petróleo não é o excremento do diabo e sim uma Dádiva de Deus

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor.

Publicado

em

Por

Foto: Canva

Países do Oriente Médio, Nigéria, Venezuela, Irã, Angola, Congo, Argélia e Rússia são grandes produtores e exportadores de petróleo. Pertencem ou apoiam a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), um organismo com viés monopolista e autoritário. Mas além da terra rica, essas nações têm outras características similares como pobreza, concentração de rendas, aversão a institucionalidade democrática e são dominados…

Continuar lendo

Opinião

Opinião por Miguel Haddad: Inundações no RS e o papel das cidades na luta contra o desequilíbrio do Clima

Publicado

em

Por

Visão aérea de Porto Alegre - RS alagada
Foto: Gustavo Mansur/ Palácio Piratini

O Rio Grande do Sul sofre nos últimos dias pela série de inundações devastadoras, resultantes das incessantes chuvas que assolaram a região. Com mais de uma centena de vítimas fatais e milhares de desalojados, estas enchentes se tornaram o pior evento climático da história do estado, desencadeando uma discussão urgente sobre os fatores que contribuíram para essa catástrofe e como…

Continuar lendo

Opinião

A corrupção é uma tempestade permanente e contribui diretamente com o caos provocado pelos desastres naturais

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário

Publicado

em

Por

Foto: Gustavo Mansur/ Palácio Piratini

Os Desastres Naturais são fenômenos que geram impactos nas sociedades humanas trazendo consequências graves para as pessoas. Obviamente muitos desses representam o ciclo natural da terra e ainda a ciência não desenvolveu instrumentos precisos de previsibilidade, para ajudar a amenizar os impactos sobre a vida e a economia. Atualmente, alguns eventos climáticos têm aumentado de maneira significativa, e os cientistas levantam hipóteses…

Continuar lendo

Opinião

Agência Moody’s confirma a recuperação da credibilidade da economia brasileira

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário

Publicado

em

Por

Foto: Canva

As últimas décadas do século XX foram determinantes para a modelagem da ordem mundial vigente e a acumulação financeira condicionando à produtiva e dando origem a um tipo de capitalismo com menor dinamismo e maior instabilidade quando comparado ao sistema vigente no pós-guerra e, além disso, inverteu o sentido de determinação das crises que passaram a originar-se na órbita financeira…

Continuar lendo

Opinião

Planejar a cidade

Artigo por Jones Henrique Martins, Gestor de Governo e Finanças de Jundiaí

Publicado

em

Por

Jones Henrique Martins, Gestor de Governo e Finanças de Jundiaí
Foto: Arquivo pessoal

Ao construirmos uma casa, necessitamos de planejamento e fundações sólidas. Assim também funciona com uma cidade: não há espaço para projetos desorientados, baseados em proposições meramente empíricas e desprovidas de sustentação orçamentária, sem unidade estratégica. O governador Mário Covas dizia que governar exige dizer sim, mas também dizer não. Acrescento que o que se diz, na prática, deve reverberar os…

Continuar lendo
Publicidade