Segundo turno: confira as pautas e discussões do 1° debate entre Lula e Bolsonaro
Connect with us

Eleições 2022

Segundo turno: confira as pautas e discussões do 1° debate entre Lula e Bolsonaro

Os candidatos participaram do primeiro debate do segundo turno neste domingo (16); votação será em 30 de outubro

Published

on

Atualizado há

Lula-tem-49-das-intencoes-de-voto-e-Bolsonaro-23-aponta-pesquisa-Ipec-compressed
(Foto: Agência Brasil)

O primeiro debate entre os candidatos do segundo turno das Eleições 2022, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL), aconteceu neste domingo (16) em um encontro organizado por TV Bandeirantes, TV Cultura, UOL e Folha de S. Paulo.

Dividido em três blocos, os candidatos tiveram  momentos de confronto direto, onde precisaram administrar “bancos de tempo” com 15 minutos cada, e ainda responderam à perguntas formuladas por jornalistas.

Confira os temas que foram abordados ao longo de quase duas horas:

  • Enfrentamento do país à pandemia de Covid;
  • Déficit educacional no país, agravado também pela pandemia;
  • Acusações de corrupção nos governos anteriores dos candidatos;
  • Auxílio Brasil e Bolsa Família;
  • Propostas no Congresso que tentam alterar a estrutura do Supremo Tribunal Federal;
  • Combate às fake news.

Esse foi o primeiro debate antes da votação de segundo turno para presidente, em 30 de outubro.

No primeiro bloco do encontro, os dois candidatos responderam o mesmo questionamento sobre orçamento. Depois disso, debateram em confronto direto e abordaram assuntos, como a gestão federal durante a pandemia de Covid-19, pagamento de auxílios, como Bolsa Família e Auxílio Brasil, e as obras realizadas em governos anteriores.

Já no segundo bloco, Lula e Bolsonaro responderam às perguntas de jornalistas que trataram de temas como, preços dos combustíveis, propostas para mudanças na composição do Supremo Tribunal Federal (STF), divulgação de fake news e relação com o Congresso, além da acusação de suposta pedofilia por parte do Bolsonaro, repudiada pelo candidato.

Já no terceiro bloco, os candidatos responderam a uma mesma questão sobre o déficit educacional na pandemia. Após isso, voltaram ao confronto direto e, durante a maior parte do tempo, trocaram acusações sobre corrupção. E, por fim, apresentaram suas considerações finais.

Corrupção

Os temas sobre corrupção e os escândalos das últimas décadas foram predominantes, aparecendo nos três blocos do debate.

O jornalista Josias de Souza, do UOL, questionou Lula e Bolsonaro sobre a negociação com o Congresso – e citou os escândalos do “petrolão” (governos Lula e Dilma) e do orçamento secreto (governo Bolsonaro), ligados à compra de apoio de parlamentares do Centrão.

Além disso, Lula também disse que no governo Bolsonaro houve corrupção durante a compra de vacinas, algo que foi investigado por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).

Benefícios Sociais

Logo no início do confronto, Jair Bolsonaro usou parte do tempo para comparar o Bolsa Família, criado na gestão PT, com o Auxílio Emergencial pago na pandemia e o Auxílio Brasil criado para suceder o Bolsa Família no ano passado. “Só de Auxílio Emergencial, em 2020, nós gastamos o equivalente a 15 anos de Bolsa Família. O Bolsa Família pagava muito pouco, eu tinha vergonha de ver as pessoas mais humildes especial do Nordeste, do interior do Nordeste recebendo, algumas famílias começando a receber R$ 42 reais. Se podia dar algo melhor, como tá dizendo agora, por que que não deu lá atrás?”, disse Bolsonaro.

Lula, em resposta, disse que o Bolsa Família não era o único programa de assistência social adotado em seu governo entre 2003 e 2010. “O nosso programa de inclusão social não era só o Bolsa Família. O nosso programa de inclusão social foi a maior política de distribuição de renda que esse país já conheceu para o pobre. Era ajuda ao pequeno produtor rural, era 1,4 milhão de cisternas que nós fizemos para o Nordeste. Era o Pnae [programa de alimentação escolar] para levar comida para as crianças mais pobres, e a gente comprava do pequeno produtor. Além do aumento do salário mínimo de 74%”, enumerou.

Pandemia

Durante a primeira rodada de confronto direto Lula questionou Jair Bolsonaro sobre suas decisões e atitudes durante a pandemia. De acordo com dados do Governo Federal, o Brasil contabiliza 687.144 mortes pela Covid-19.

O ex-presidente afirmou que o atual governo foi negligente e “fez com que 680 [mil] pessoas morressem quando mais da metade poderia ter sido salva”. E completou: “A verdade é que o senhor não cuidou, debochou, riu, desacreditou a vacina. […] O senhor gozou das pessoas, imitou as pessoas morrendo afogadas por falta de oxigênio em Manaus. Não tem na história de nenhum governo no mundo, alguém que brincou com a pandemia como você brincou”.

Em resposta, Bolsonaro citou a ocasião em que Lula disse “ainda bem” ao se referir ao papel da Covid-19 em demonstrar a necessidade do Estado. E defendeu a política do governo contra o vírus.

“A primeira vacina no mundo foi aplicada em dezembro de 2020. Em janeiro do ano seguinte, um mês depois. O Brasil começou a vacinar. Nós compramos mais de 500 milhões de doses de vacina. E todos aqueles que quiseram tomar vacina, tomaram. E o Brasil foi um dos países que mais vacinou no mundo e em tempo mais rápido. Então, o senhor se informe antes de fazer acusações levianas e mentirosas”, disse Bolsonaro.

Orçamento e cortes

No primeiro bloco, os dois candidatos foram questionados sobre como farão para viabilizar os projetos prometidos na campanha, e quais cortes farão no orçamento. Por sorteio, o primeiro a responder foi Bolsonaro que disse que o Auxílio Brasil será “permanente” e bancado a partir da reforma tributária que ainda tramita no Senado.

“Bem como nosso governo estuda, ao se privatizar alguma coisa, uma parte obviamente vai para pagar juros da dívida e outra parte para irrigar projetos outros que podem acontecer”, disse.

Já Lula fez referência ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que implementou em seu segundo mandato. O candidato também citou a aprovação de uma reforma tributária pelo Congresso para “taxar menos os mais pobres e os trabalhadores”.

“Por isso é que nós propomos uma isenção até R$ 5 mil, não pagamento do Imposto de Renda. E cobrar dos mais ricos, que muitas vezes não pagam sobre o lucro e sobre o dividendo. Aí, vamos ter dinheiro para fazer as políticas que nós fizermos”, completou.

Eleições 2022

Após confirmar dados do TSE, Defesa diz agora não excluir risco de fraude

A nota foi divulgada um dia depois do relatório que confirma os dados da eleição.

Published

on

urna-eletronica-1
Urna eletrônica (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Um dia depois de divulgar relatório em que confirma os dados da votação das eleições deste ano, as Forças Armadas divulgaram uma nota na qual afirmam o que o documento "não exclui a possibilidade da existência de fraude" nas urnas. "O acurado trabalho da equipe de técnicos militares na fiscalização do sistema eletrônico de votação, embora não tenha apontado, também…

Continue Reading

Eleições 2022

Relatório de militares diz que não houve fraude nas eleições

De acordo com o documento, os boletins de urna impressos estão em conformidade com os dados disponibilizados pelo TSE.

Published

on

urnas eletrônicas
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Nesta quarta-feira (9), o Ministério da Defesa enviou o relatório das Forças Armadas sobre as eleições e o sistema eletrônico de votação, ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). De acordo com o documento, não foram identificadas irregularidades no processo eleitoral, e os boletins de urna impressos estão em conformidade com os dados disponibilizados pelo TSE. Ainda assim, o relatório alerta sobre…

Continue Reading

Eleições 2022

PRF tem 48 horas para informar veículos e pessoas multadas nos atos antidemocráticos em rodovias

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro estão há quase uma semana obstruindo rodovias em protesto contra resultado das eleições presidenciais.

Published

on

Manifestantes bloqueando rodovia em Jundiaí
O ministro Alexandre de Moraes afirmou que quem realiza atos antidemocráticos será punido criminalmente (Foto: Reprodução/Motoboy Xororó)

Nesta quinta-feira (3), o ministro Alexandre de Moraes, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), deu o prazo de 48 horas para que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) apresente um relatório detalhado apresentando todas as autuações contra caminhoneiros que bloquearas as rodovias durante atos antidemocráticos. Na terça-feira (1º), o STF acatou por unanimidade a decisão de Alexandre de Moraes, determinando que a PRF encerrasse…

Continue Reading

Eleições 2022

Quem contesta eleição em atos antidemocráticos será tratado como criminoso, diz presidente do TSE

O ministro Alexandre de Moraes afirmou que grupos bolsonaristas que estão bloqueando rodovias serão punidos.

Published

on

Ministro Alexandre de Moraes
Desde domingo (30), grupos bolsonaristas têm paralisado rodovias em todo o Brasil, contestando a vitória de Lula nas eleições presidenciais (Foto: Reprodução/Instagram)

Durante sessão do Tribunal Superior Eleitoral, nesta quinta-feira (3), o presidente do TSE e ministro, Alexandre de Moraes, disse que os grupos bolsonaristas que contestam o resultado das eleições presidenciais com atos antidemocráticos são criminosos, e que serão tratados como tal. Neste domingo (30), mais de 60 milhões de brasileiros votaram em Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que venceu…

Continue Reading

Eleições 2022

Jair Bolsonaro se pronuncia sobre eleições após dois dias em silêncio

Em um discurso de menos de 3 minutos, o presidente disse que continuará cumprindo constituição, não citou Lula e não pediu fim das paralisações.

Published

on

Jair Bolsonaro se pronuncia
Foto: Reprodução/TV Brasil

Na tarde desta terça-feira (1º), o Presidente da República, Jair Bolsonaro (PL) se pronunciou pela primeira vez após perder as eleições de 2022. Bolsonaro chegou sorrindo e, em um curto discurso, de menos de 3 minutos, agradeceu aos seus eleitores pelos votos mais de 58 milhões de votos. Além disso, Bolsonaro falou sobre as manifestações. O presidente disse que manifestações…

Continue Reading