A demanda da sociedade é o pilar central da economia dos EUA. O PIB aumentou 5,2% no último trimestre
Conecte-se conosco

Opinião

A demanda da sociedade é o pilar central da economia dos EUA. O PIB aumentou 5,2% no último trimestre

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Publicado

em

Atualizado há

dolar
Foto: Canva Pro

Há tempos que um dos temas dominantes nos debates sobre a economia mundial tem sido a luta econômica e a influência diplomática entre os Estados Unidos e a China. Alguns economistas acreditavam que o gigante asiático se tornaria a maior economia do planeta no final de 2023, mas não correu. A economia estadunidense é madura e tem bases muito solidas, o campo e a indústria continuam inovando e a demanda efetiva da sociedade permanece estimulando a oferta de bens e serviços. O Estado por sua vez tem suas pontas de poder muito ativas atuando estrategicamente por todo o planeta e vem adiando a quase inevitável conquista chinesa.

As recorrentes crises do capitalismo no século passado tendo como epicentro os Estados Unidos forçaram a Nação a criar “mecanismos” para corrigir as rotas da economia e evitar as catástrofes econômicas. As aspirações burguesas da sociedade estadunidense fecundadas antes mesmo da revolução construtivista implantaram a cultura da propriedade privada alicerçada por um arcabouço de regras bem definidas. Arquitetaram um Estado com tentáculos poderosos capaz de subsidiar Inovações, invenções e estimular empreendimentos estatais e particulares flexíveis para dominar cadeias de suprimentos globais e com o reforço das demandas do governo impor suas estratégias de dominação imperialista.

O relatório do Departamento do Comércio do EUA divulgado nos últimos dias de novembro desse ano corrente surpreendeu até os mais otimistas dos analistas, o relato indicou que a economia continuou a crescer, apesar dos receios de uma recessão que persistem desde o final de 2022. O Produto Interno Bruto (PIB) aumentou a uma taxa anualizada de 5,2% no último trimestre, informou o Bureau de Análise Econômica (BEA). Foi o ritmo de expansão mais rápido desde o quarto trimestre de 2021. Dilatação nos gastos do governo e aumentos de salários na massa de trabalhadores estimulou o setor privado a gastar em novos empreendimentos para aumentar a capacidade de oferta e equilibrar a economia em um ponto justo, o que obviamente facilita a administração da politica monetária pelo Federal Reserve e pode aumentar a base de créditos. É importante dizer que taxa de juros da economia é função de produtividade dos recursos de produção, sem isso movimentos de queda é irresponsabilidade das autoridades monetárias.

Os empresários estadunidenses continuam acreditando nos princípios da teoria Keynesiana que levam em conta a demanda efetiva na hora de determinar a sua produção, e assim o equilíbrio no mercado de trabalho não pode ser restaurado com reduções de salário, como ocorrem em outras regiões do mundo, principalmente em países subdesenvolvidos, nos quais os empresários acreditam que a origem das crises são os ganhos dos trabalhadores e tem algum fundamento devido à baixa produtividade. Entretanto é importante apontar a ausência do setor privado na contribuição para a formação de capital humano nessas regiões e o Brasil é um exemplo, pois não tem nenhuma entidade privada produzindo capital humano, exatamente como ocorre nos Estados Unidos.

Os fundamentos das economias diferem quanto à dependência das variáveis da demanda para determinar o movimento do PIB e a organização das estruturas da oferta agregada pra atender a procura. Estados Unidos o crescimento econômico ocorre com os impulsos do consumo das famílias, o qual é responsável por dois terços do PIB, formando o cenário para orientar o investimento privado. A China por sua vez ainda depende dos gastos do governo em infraestrutura para estimular o crescimento, apesar do avanço rápido do mercado consumidor doméstico, o qual já está determinando a lógica da economia do continente, a China passando a ser um grande mercado consumidor de bens e serviços. Ambos os países tem estratégias similares para o comércio exterior, importando matérias primas e disputando o mercado global com produtos industrializados.

Essa breve análise serve para observar a fragilidade de nações populosas como Brasil, Indonésia, Nigéria, Irã, Paquistão e Índia que devido às dificuldades em distribuir rendas sobrevivem com uma massa morta de consumidores proveniente da ocupação informal e a precarização no mercado formal de trabalho. O Estado brasileiro desde a Era Vargas vem tentando construir alternativas produtivas para o Brasil, mas esbarra na ausência de renuncia da coletividade, que adotou uma filosofia de sucessos sem esforços.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam necessariamente as ideias ou opiniões do Tribuna de Jundiaí. Everton Araújo é brasileiro, economista e professor.

Opinião

O impacto dos impostos na competitividade da indústria

Publicado

em

Por

Foto: Divulgação Ciesp

É preocupante constatar que, entre 2011 e 2023, o Brasil foi ultrapassado por 22 nações no ranking de competitividade do Instituto Internacional para o Desenvolvimento Gerencial, instituição de educação executiva da Suíça. Caímos do 38º para o 60º lugar, ficando nas últimas posições. Como temos alertado há tempos, em congruência com economistas, empresários, associações e sindicatos representativos de todos os…

Continuar lendo

Opinião

Lula é ciente da importância estratégica da Petrobras para o Brasil

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Publicado

em

Por

Foto: Ricardo Stuckert/PR

A Petrobras foi fundada no governo de Getúlio Vargas para fugir dos abusos do oligopólio das Sete Irmãs, que dominavam o mercado no mundo. Avançou a passos largos atendendo a crescente demanda, sendo uma das bases para o crescimento econômico do País. Com os embargos da OPEP na década de 1970, estimulou o então Presidente Ernesto Geisel a buscar alternativas…

Continuar lendo

Opinião

Morte de policiais: a banalização do mal em nosso país é vergonhosa

“Indignação e solidariedade com a morte de policiais irmãos”. Artigo por Rodolfo Queiroz Laterza, presidente da Associação de Delegados de Polícia do Brasil.

Publicado

em

Por

câmara corporal polícia militar em SP
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasi

A Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol do Brasil), entidade de classe de âmbito nacional representativa da categoria de Delegados de Polícia no Brasil, manifesta sua indignação aos crimes hediondos perpetrados na forma de homicídios com torpeza e emboscada aos irmãos policiais militares soldado Samuel Wesley Cosmo, 35 anos, lotado na ROTA da Polícia Militar de São Paulo,…

Continuar lendo

Opinião

Lula pode promover uma geração de desalentados, com a distribuição de dinheiro para estudantes pobres

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Publicado

em

Por

Presidente Lula falando no microfone em evento
Foto: Agência Brasil

Analisando os orçamentos públicos destinados para educação nos Munícipios, Estados e no Governo Central, estou indignado como conseguem gastar tanto dinheiro e entregar um capital humano de péssima qualidade para a sociedade. Os recursos financeiros atribuídos para esses fins são imensos a tal ponto que muitos munícipios até ultrapassam a cifra do bilhão de reais. Não existem justificativas para tal…

Continuar lendo

Opinião

Pastores acumulam e ostentam riquezas sem pagar impostos. É um repúdio ao Evangelho de Cristo?

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário

Publicado

em

Por

Foto: Freepik

No Brasil durante muito tempo falar sobre evangélicos e política era simplesmente um paradoxo, porque havia um entendimento claro de que “irmãos” não deveriam se relacionar com o mundo externo e menos ainda com a política, uma vez que segundo os ensinamentos teológicos da época as pessoas envolvidas nesse tipo de organização contaminavam e sujavam os cristãos evangélicos. Mas com…

Continuar lendo
Publicidade