Tinha uma igreja e um cemitério no meio da rua do Rosário
Conecte-se conosco

Sextou com S de Saudade

Tinha uma igreja e um cemitério no meio da rua do Rosário

Uma das mais importantes da época, antiga capela se transformou até em matriz quando a catedral passava por reformas

Publicado

em

Atualizado há

igreja Rosário
No meio da rua do Rosário, a igreja permaneceu até a década de 1920 (Foto: Acervo Professor Maurício Ferreira)

A história desta semana nos remete à demolição de uma das igrejas católicas mais importantes para os cristãos daquela época, na cidade. Era uma capela que ficava no Centro, mais especificamente no espaço entre o Gabinete de Leitura Ruy Barbosa e o estacionamento – que um dia foi a 2ª Companhia de Comunicações do Exército Brasileiro.

Sim! Ela estava bem no meio da rua do Rosário, mas ainda não vamos falar sobre isso. Voltaremos à história de fundação da capela que, numa das pesquisas feitas por João Borin, aponta registro nas “Cartas de Datas de Chãos e Quintais” – um documento datado de 1657 – de um eventual “lote reservado para a Casa de Misericórdia”. Ou seja, uma capela que cuidava dos pobres e doentes.

Ali era conhecido como os antigos “Largo do Pelourinho e Largo do Rosário” – a atual Praça Ruy Barbosa. Com o tempo, tornou-se a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito (chamada, na época, de Igreja dos Pretos). A construção era de taipa de pilão, coberta com telhas de barro e com pisos de madeira.

Uma das últimas fotos da igreja, antes da demolição (Foto: Acervo Maurício Ferreira/Janczur)

Era uma época em que não havia cemitérios em Jundiaí e os enterros aconteciam no interior da Igreja – essa ação perdurou até o período oitocentista. Um tempo depois, implantou-se um cemitério, justamente ao lado da Igreja do Rosário.

Importância

A Igreja de Nossa Senhora do Rosário e de São Benedito teve preponderância para a cidade. Ela, por exemplo, é possivelmente a capela mais antiga da cidade, além de ter se tornado Matriz sempre que a Matriz (catedral) Nossa Senhora do Desterro passava por reformas.

Na década de 1920, porém, a gestão do então prefeito Dr. Olavo de Queiroz Guimarães decidiu prolongar a então denominada rua do Rosário. A cidade passava por significativas reformas no centro e uma delas seria justamente o prolongamento.

Como a igreja estava bem no meio da obra, não houve outra solução: ela foi demolida e deu lugar à rua Major Sucupira – prolongamento da rua do Rosário. Houve, também, uma ação por conta dos corpos enterrados no interior da igreja.

No dia 15 de junho de 1922 foi expedido um aviso para o translado dos corpos direto para o cemitério local. A demolição aconteceu uma semana depois, quando a Igreja Nossa Senhora do Rosário e de São Benedito veio ao chão.

Hoje pedestres e carros passam por aquele trecho sem saber, com certeza, que ali havia uma igreja e um cemitério. O texto desta semana teve a participação de Wilson Ricardo Mingorance, a quem agradeço profundamente.

E você? Tem alguma história interessante da cidade, um fato inusitado ou quer que falemos sobre algum assunto? Peço que ajude a preservar nossa história: envie fotos antigas e participe do grupo no Facebook.

Até semana que vem!

Sextou com S de Saudade

Clube 28 de Setembro carrega histórias de resistência e luta contra a discriminação racial em Jundiaí

Até hoje, o Clube 28 é referência de entretenimento, recreação e um marco na história negra de Jundiaí e do Brasil.

Publicado

em

Foto de antiga entrada do Clube 28 de Setembro, em Jundiaí
O nome do clube foi dado em homenagem à Lei do Ventre Livre, instituída em 28 de setembro de 1871 (Fotos: Acervo Maurício Ferreira)

Quem passa pela área central de Jundiaí já deve ter reparado naquele toldo preto, com o número 28 em vermelho e a sigla CBCRJ: Esse é o Clube 28 de Setembro. O centro cultural foi inaugurado no dia 1º de janeiro de 1895, a partir da iniciativa de um grupo de ferroviários negros, que se uniram para fundar uma agremiação…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Mário Milani, o craque jundiaiense que ia aos treinos pilotando um avião

Apesar do destaque em grandes clubes brasileiros, a carreira dele não é muito conhecida. Por isso, prestamos essa homenagem

Publicado

em

Mário Milani
Jundiaiense era considerado um grande profissional do futebol, além de contabilista e também aviador (Fotos: Acervo Maurício Ferreira)

O termo "voar em campo", muito usado nas resenhas do futebol, nunca serviu tão bem para contar a história desse jundiaiense que brilhou em muitos gramados com a camisa de alguns dos principais clubes brasileiros. Estamos falando de Mário Milani, jogador de futebol e contabilista que aprendeu a pilotar avião para não perder tempo nas viagens de trem entre Jundiaí…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Pipoqueiros marcaram época em Jundiaí: você conhece algum deles?

Publicado

em

Pipoqueiro Caxambu
Pipoqueiro na estrada de terra, no bairro Caxambu, na década de 1960: parte da história de Jundiaí (Foto: Acervo Maurício Ferreira)

Algumas profissões ou determinados tipos de trabalho estão cada vez mais difíceis de serem vistos por aí, não é? Nos anos 1980, quem nunca aproveitou para amolar a faca ou afiar a tesoura quando ouvia aquele tilintar da bicicleta passando pela rua? Com a chegada da tecnologia, muitas dessas funções passaram a ser feitas pelas pessoas em casa, mesmo, graças…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Na Jundiaí de 1930, bombas de gasolina ficavam nas esquinas

Geralmente as bombas pertenciam a algum comércio próximo: você pagava e abastecia ali mesmo, na rua

Publicado

em

Posto
Tempo em que se podia abastecer os carros e caminhões sem a necessidade de um posto de combustíveis (Foto: Acervo Maurício Ferreira)

Você imagina o mundo, hoje, sem postos de combustíveis? A gente teve um exemplo claro disso quando houve a greve dos caminhoneiros, em 2018: ninguém conseguia abastecer e o país virou um caos, não é? Mas já houve uma época em que nem se pensava em ter estabelecimentos assim e a gasolina era vendida nas esquinas. Nessas duas imagens que…

Continuar lendo

Sextou com S de Saudade

Meu amado avô Zeca: exemplo de cidadão a serviço da população

Era um homem com pouco estudo, muito trabalhador, detentor de espírito público e respeito pelo que pertencia ao povo

Publicado

em

zeca
Com meu avô e o primo Eduardo Massagardi (à direita) numa foto dos vários momentos juntos que passamos (Foto: Acervo Maurício Ferreira)

Nasci literalmente no interior da Prefeitura de Jundiaí, mais precisamente no Depósito Municipal que funcionou durante décadas na avenida Dr. Amadeu Ribeiro, no Anhangabaú, entre o Bolão e o Parque da Uva. Meu avô Zeca Ferreira e meu pai Ferreirinha (José Antônio) eram funcionários públicos e moravam nas casas da Prefeitura. Vim ao mundo, numa dessas moradias, pelas mãos de…

Continuar lendo