Bolsonaro continua enganando com fantasias e obras de ficção
Conecte-se conosco

Opinião

Bolsonaro continua enganando com fantasias e obras de ficção

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Publicado

em

Atualizado há

Presidente Bolsonaro
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Dia 21 de fevereiro a Bolsa de Valores de São Paulo começa com um pregão nervoso, após a intervenção teatral do presidente Jair Bolsonaro na Petrobras. Os papéis da empresa caíram mais de 15% na abertura dos mercados na expectativa da reunião do conselho de administração no dia seguinte. O mandatário brasileiro indicou para o cargo o general Joaquim Silva e Luna, ex-ministro da Defesa, em substituição ao economista Roberto Castello Branco, homem de confiança do Ministro da economia Paulo Guedes.

A interferência ocorreu depois da ameaça de greve de caminhoneiros, grupo base do bolsonarismo, por conta do aumento no preço do diesel. O presidente chegou a acusar que o Castelo Branco não tinha compromisso com o Brasil por nunca ter ajudado em nada. Afirmou que a preocupação era apenas ganhar dinheiro e que não havia justificativa para um aumento de 32% no preço do combustível já no corrente ano.

Segundo Bolsonaro a intromissão era necessária devido à covardia de alguns grupos que estavam se apropriando do petróleo e prejudicando o povo e a sua demonstração de insatisfação cegou a dizer que o então comandante da petrolífera era preguiçoso. Criou a expectativa e a realidade piorou, mas ganhou tempo para novas cenas.

No primeiro ano de governo as promessas eram tão divulgadas nas redes sociais e se realmente saíssem da ficção das peças publicitarias o Brasil se tornaria o paraíso e sem pecados. A turma do primeiro escalão do governo prometia gás de cozinha e energia elétrica a preços baixos e a fórmula mágica sempre a mentira da concorrência. Coisa impossível nesse setor, que por natureza a concentração ocorre em todos os mercados do mundo.

A sanha privatista levou Bolsonaro ao absurdo de condenar a empresa como um estorvo, pois segundo ele atrapalha o desenvolvimento do Brasil. Essa fala ocorreu diante de lideres do G20, os quais estariam muito satisfeitos com uma petrolífera no modelo da Petrobras. No entanto esse comportamento é típico de quem não gosta de assumir compromissos e sempre arruma justificativas para fugir dos desafios inerentes ao Cargo. 

Em ano de eleição a qual será dominada pela pauta econômica, assunto que o Presidente já diz publicamente que não domina e seu “posto Ipiranga” na prática ficou evidente que não passa de um aventureiro e fanfarrão. As badernas provocadas para desviar a atenção da sociedade para a realidade, não está surtindo efeitos, pois continuam batendo cabeça com a estatal de petróleo. No mês de abril, voltou a criar um fato novo, e com uma nova interferência trocou o comando da empresa, após fazer leilão para encontrar o substituto do general, chegando a nomear uma raposa que recusou o posto, para o qual foi colocada uma nova mosca. 

E continua o jogo da enganação dos seus eleitores, ao demitir o ministro de Minas e Energia tenta transmitir a ideia de que não concorda com a disparada nos preços do gás, da gasolina e do diesel. Em sua live semanal lançou mais uma lorota, ao dizer que estuda medidas legais contra a estatal, e já o culpado será o juiz que recusar a alegação da Antonieta tupiniquim. Bolsonaro não alterou a política de combustíveis, implantada em 2016, pelo seu consultor Michael Temer. Não altera a politica de paridades exatamente porque não é proposito em atender as demandas do país, algo demonstrado não somente nessa situação, mas em outras tantas já relatadas nessa coluna.

Engraçado e que Ele tem liberdade para gastar grana pública em seus passeios, é livre para sancionar verbas  e esconder para quem e pra que foram destinadas, tem autonomia para impor sigilo de cem anos em tudo que possa vir a ser contestado, autoriza a destruição da floresta e ainda grita quem manda sou Eu.

Mas, quando a sociedade exige ações que remetem “trabalhar” o falastrão, retruca que atrapalham a sua missão, atribuindo a governadores, imprensa, prefeitos, deputados e ministros da Suprema Corte a culpa pela ingerência. Está muito claro para a população, que o principal responsável pela disparada da inflação, turbulência cambial, escassez de credito e desemprego no Brasil é Jair Messias Bolsonaro e seus ministros e com a benção dos comerciantes da fé.

“Nenhum mentiroso tem uma memória suficientemente boa para ser um mentiroso de êxito”. Abraham Lincoln

Everton Araújo, brasileiro, economista e professor.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Tribuna de Jundiaí.

Opinião

O subdesenvolvimento brasileiro é um projeto de Nação

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Publicado

em

Por

Favela da Rocinha, no Rio de Janeiro
Favela da Rocinha, no Rio de Janeiro (Foto: w3design/Canva)

As flutuações econômicas são determinantes para o desequilíbrio nas curvas de oferta e demanda, naturalmente afetam com mais rigor as economias periféricas devido ao nível de dependência tecnológica, financeira e a baixa produtividade dos fatores de produção, características que dificultam uma reação breve. A variável técnica é um gargalo muito complicado para solucionar, pois as nações que desenvolvem bens de…

Continuar lendo

Opinião

Saneamento Básico: quando o Brasil fez a coisa certa

Por Miguel Haddad.

Publicado

em

(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Covid-19, guerra, inflação nas alturas, desemprego, nações divididas pelo discurso de ódio: nesse mar de dificuldades surge uma boa notícia para nos dar a esperança de estarmos, de alguma maneira, avançando. O Brasil está no caminho certo para, se não acabar de vez, pelo menos reduzir drasticamente uma das nossas maiores mazelas, responsável em grande parte pelo nosso atraso, que…

Continuar lendo

Opinião

A causa principal da inflação brasileira na era moderna é a pobreza

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Publicado

em

Por

Representação de inflação
(Foto: chocorutn/Freepik)

A literatura econômica apesar da sua grandeza, ainda não trouxe nenhuma abordagem sobre o fenômeno da inflação causada pela pobreza. Talvez porque esse evento ocorre exclusivamente em países subdesenvolvidos, e não desperta interesses para desenvolver uma base literária sólida com o objetivo de compreender, solucionar e prevenir esse problema. A queda na renda em países ricos não é estrutural e…

Continuar lendo

Opinião

As vaidades dos Poderes Constituídos agravam a crise na economia

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Publicado

em

Por

Palácio do Congresso Nacional, em Brasília
"O medo é mudo; os aterrorizados falam pouco, parece que o horror diz: silêncio", Victor Hugo, 1802, ativista francês. (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Após as restrições do período da ditadura militar, em 1988, a Assembleia Nacional Constituinte promulgou a nova Carta, com direitos e liberdades ampliados e fortalecidos. A oitava na história do País, um fato que demonstra a instabilidade de uma Nação, provocada pela soberba das elites financeiras, as quais tratam os Poderes da República como defensores de seus interesses. Em três…

Continuar lendo

Opinião

A inflação já incomoda setores importantes da economia

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Publicado

em

Por

Moedas e cédulas de dólar e real
'Percebi que no caso brasileiro estamos vivendo uma euforia devido às oportunidades de aquisição de determinados bens em alguns segmentos' (Foto: Edson de Souza Nascimento/Freepik)

Brasil, ano 2019, a economia já dava sinais de instabilidade. Taxa de juros básica da economia muito baixa para a realidade brasileira, indicador oficial de inflação próximo da meta estabelecida pelo Banco Central, mas já pressionado pelos preços dos alimentos e aluguel, moeda doméstica desvalorizada estimulando a demanda externa por commodities, recorde na produção de grãos e superávit comercial satisfatório.…

Continuar lendo