Bolsonaro continua enganando com fantasias e obras de ficção
Connect with us

Opinião

Bolsonaro continua enganando com fantasias e obras de ficção

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário.

Published

on

Atualizado há

Presidente Bolsonaro
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Dia 21 de fevereiro a Bolsa de Valores de São Paulo começa com um pregão nervoso, após a intervenção teatral do presidente Jair Bolsonaro na Petrobras. Os papéis da empresa caíram mais de 15% na abertura dos mercados na expectativa da reunião do conselho de administração no dia seguinte. O mandatário brasileiro indicou para o cargo o general Joaquim Silva e Luna, ex-ministro da Defesa, em substituição ao economista Roberto Castello Branco, homem de confiança do Ministro da economia Paulo Guedes.

A interferência ocorreu depois da ameaça de greve de caminhoneiros, grupo base do bolsonarismo, por conta do aumento no preço do diesel. O presidente chegou a acusar que o Castelo Branco não tinha compromisso com o Brasil por nunca ter ajudado em nada. Afirmou que a preocupação era apenas ganhar dinheiro e que não havia justificativa para um aumento de 32% no preço do combustível já no corrente ano.

Segundo Bolsonaro a intromissão era necessária devido à covardia de alguns grupos que estavam se apropriando do petróleo e prejudicando o povo e a sua demonstração de insatisfação cegou a dizer que o então comandante da petrolífera era preguiçoso. Criou a expectativa e a realidade piorou, mas ganhou tempo para novas cenas.

No primeiro ano de governo as promessas eram tão divulgadas nas redes sociais e se realmente saíssem da ficção das peças publicitarias o Brasil se tornaria o paraíso e sem pecados. A turma do primeiro escalão do governo prometia gás de cozinha e energia elétrica a preços baixos e a fórmula mágica sempre a mentira da concorrência. Coisa impossível nesse setor, que por natureza a concentração ocorre em todos os mercados do mundo.

A sanha privatista levou Bolsonaro ao absurdo de condenar a empresa como um estorvo, pois segundo ele atrapalha o desenvolvimento do Brasil. Essa fala ocorreu diante de lideres do G20, os quais estariam muito satisfeitos com uma petrolífera no modelo da Petrobras. No entanto esse comportamento é típico de quem não gosta de assumir compromissos e sempre arruma justificativas para fugir dos desafios inerentes ao Cargo. 

Em ano de eleição a qual será dominada pela pauta econômica, assunto que o Presidente já diz publicamente que não domina e seu “posto Ipiranga” na prática ficou evidente que não passa de um aventureiro e fanfarrão. As badernas provocadas para desviar a atenção da sociedade para a realidade, não está surtindo efeitos, pois continuam batendo cabeça com a estatal de petróleo. No mês de abril, voltou a criar um fato novo, e com uma nova interferência trocou o comando da empresa, após fazer leilão para encontrar o substituto do general, chegando a nomear uma raposa que recusou o posto, para o qual foi colocada uma nova mosca. 

E continua o jogo da enganação dos seus eleitores, ao demitir o ministro de Minas e Energia tenta transmitir a ideia de que não concorda com a disparada nos preços do gás, da gasolina e do diesel. Em sua live semanal lançou mais uma lorota, ao dizer que estuda medidas legais contra a estatal, e já o culpado será o juiz que recusar a alegação da Antonieta tupiniquim. Bolsonaro não alterou a política de combustíveis, implantada em 2016, pelo seu consultor Michael Temer. Não altera a politica de paridades exatamente porque não é proposito em atender as demandas do país, algo demonstrado não somente nessa situação, mas em outras tantas já relatadas nessa coluna.

Engraçado e que Ele tem liberdade para gastar grana pública em seus passeios, é livre para sancionar verbas  e esconder para quem e pra que foram destinadas, tem autonomia para impor sigilo de cem anos em tudo que possa vir a ser contestado, autoriza a destruição da floresta e ainda grita quem manda sou Eu.

Mas, quando a sociedade exige ações que remetem “trabalhar” o falastrão, retruca que atrapalham a sua missão, atribuindo a governadores, imprensa, prefeitos, deputados e ministros da Suprema Corte a culpa pela ingerência. Está muito claro para a população, que o principal responsável pela disparada da inflação, turbulência cambial, escassez de credito e desemprego no Brasil é Jair Messias Bolsonaro e seus ministros e com a benção dos comerciantes da fé.

“Nenhum mentiroso tem uma memória suficientemente boa para ser um mentiroso de êxito”. Abraham Lincoln

Everton Araújo, brasileiro, economista e professor.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam necessariamente as ideias ou opiniões do Tribuna de Jundiaí.

Opinião

O futuro dos idosos: desafios e soluções

Artigo escrito por Miguel Haddad

Published

on

Idosos dançando em par
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O envelhecimento populacional é uma realidade inegável, e suas repercussões já são percebidas de maneira contundente. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), até 2050, cerca de 2 bilhões de pessoas terão mais de 60 anos, representando um quinto da população global. No contexto brasileiro, dados do Ministério da Saúde alertam para a crescente proporção de idosos, prevendo…

Continue Reading

Opinião

A direita antipatriota continua vendendo o Brasil para a China comunista

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor universitário

Published

on

Dois homens iniciando um aperto de mãos com uma bandeira da China e uma bandeira do Brasil em cima de uma mesa
Foto: Canva Pro

Uma suposta ameaça comunista no Brasil é frequentemente levantada pela direita para, com frequência, justificar ações autoritárias e ameaças à democracia. Essas ideias vagas ainda têm força, mesmo sem histórico de um “projeto comunista” que tenha chegado a ameaçar o Estado brasileiro. Diante da dificuldade de construir planos consistentes para avançar o Brasil, usam a pecha do anticomunismo como um ponto de unificação das direitas na sua diversidade.  O discurso…

Continue Reading

Opinião

Privatização de setores estratégicos, ameaça à democracia, o desenvolvimento e a liberdade

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor.

Published

on

Foto: Canva Pro

O professor e historiador Donald Cohen, lançou a obra "Privatization of Everything" com uma forte reflexão sobre o papel do setor privado na sociedade global.  Para ele a privatização de empresas estratégicas nada mais é que entregar à iniciativa privada a autoridade, o controle e o acesso a bens públicos, muitas vezes extremamente necessários à população. O especialista também mostrou…

Continue Reading

Opinião

Dia da Indústria: CIESP Jundiaí alerta para desafios e destaca importância da educação

O Dia da Indústria reflete a importância do setor industrial para o desenvolvimento econômico e social do Brasil.

Published

on

Marcelo Cereser, diretor do CIESP Jundiaí, durante evento oficial, vestindo um terno escuro e camisa clara, expressando seriedade.
Foto: Divulgação/CIESP Jundiaí

No próximo sábado, 25 de maio, o CIESP Jundiaí comemora o Dia da Indústria, uma data que convida todos os empresários a refletir sobre a importância do setor industrial para o desenvolvimento econômico e social do Brasil. “A indústria é um dos pilares fundamentais da economia nacional, gerando empregos, inovação e crescimento. No entanto, enfrentamos, diariamente, desafios significativos que precisam…

Continue Reading

Opinião

O petróleo não é o excremento do diabo e sim uma Dádiva de Deus

Artigo por Everton Araújo, brasileiro, economista e professor.

Published

on

Foto: Canva

Países do Oriente Médio, Nigéria, Venezuela, Irã, Angola, Congo, Argélia e Rússia são grandes produtores e exportadores de petróleo. Pertencem ou apoiam a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), um organismo com viés monopolista e autoritário. Mas além da terra rica, essas nações têm outras características similares como pobreza, concentração de rendas, aversão a institucionalidade democrática e são dominados…

Continue Reading